itens de Coleção

Descrição

Este manuscrito contém uma cópia do Morall Fabillis por Robert Henryson, um poeta Escocês, que morreu por volta de 1490. O texto é escrito em escoceses médios-a língua falada na Escócia das terras baixas de aproximadamente os séculos XV a XVII.

quais são os Fabillis Morall?Os Morall Fabillis foram baseados nas fábulas de Esopo – um texto popular supostamente escrito por um escravo chamado Esopo na Grécia Antiga. As fábulas são uma série de histórias sobre animais que têm um propósito moral. O Morall Fabillis de Henryson foi provavelmente baseado em uma versão das Fábulas de Esopo por Gaulterus Anglicus. Este trabalho do final do século 12 foi um livro escolar padrão na Idade Média. Quem foi Robert Henryson?

não sabemos muito sobre Henryson. Ele era um professor de Dunfermline. Ele parece ter estudado direito na Universidade de Glasgow e provavelmente também era padre. Henryson foi muito influenciado pelo trabalho de Geoffrey Chaucer (D. C. 1400). Podemos ver essa influência em suas obras de várias maneiras. Ele escreveu um poema chamado The Testament of Cresseid que continua a história de Criseyde, o personagem central em Troilus e Criseyde de Chaucer. Também vemos a influência de Chaucer no uso da forma por Henryson no Morall Fabillis. Os poemas são escritos em rima real, uma forma de sete linhas popularizada por Chaucer (embora deva ser notado que existem algumas estrofes no Morall Fabillis em uma forma de pseudo-balada de oito linhas). Chaucer usa essa forma em várias de suas obras, incluindo o Parlamento de aves e, mais notavelmente, em Troilo e Criseyde.Enquanto Henryson foi influenciado por Chaucer, o próprio Henryson teve-por sua vez-uma influência sobre muitos poetas posteriores, e em 2009 o The Morall Fabillis foi traduzido por Seamus Heaney. Heaney escreveu sobre sua admiração pela “retórica e roguery” de Henryson e como sua “consciência constante da dureza e injustiça do mundo é mitigada por sua ironia, ternura e senso de humor sempre pronto”.

o manuscrito

este manuscrito é incomum-foi copiado quase um século depois que Henryson morreu, em 1571, de uma edição impressa do texto. O manuscrito ilustra a maneira como, mesmo após a invenção da impressão, as pessoas continuaram a fazer manuscritos. De certa forma, isso é semelhante à nossa própria cultura, onde usamos e-readers e livros tradicionais. Quem copiou este manuscrito claramente cuidou de sua aparência, como podemos ver na decoração.

veja um conjunto completo de imagens do manuscrito digitalizado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.